Aliados e desafetos criticam Matteo Salvini por ciceronear Bolsonaro na Itália

Em baixa nas pesquisas, líder ultradireitista da Liga é julgado por detenção ilegal de imigrantes.





Pegou mal para Matteo Salvini, o ultradireitista líder da Liga, o encontro com seu aliado brasileiro, o presidente Jair Bolsonaro, para homenagear, neste domingo em Pistoia, os pracinhas mortos na Segunda Guerra. Foi criticado tanto por partidários da Liga quanto por adversários do Partido Democrático, de centro-esquerda.

“É hora de Matteo decidir de que lado ele quer ficar”, afirmou o ministro de Desenvolvimento Econômico, Giancarlo Giorgetti, o número dois do partido, que integra o governo de unidade do premiê Mario Draghi. Ele pertence à ala moderada da Liga e, portanto, rivaliza com o líder