Após mudanças, entenda como funciona o passaporte sanitário da França

Em vigor desde 21 de julho por meio de decreto, passe sofre algumas mudanças em relação ao projeto original após sessão no Parlamento


O Parlamento da França promoveu nesta segunda-feira (26) alguns ajustes no passe sanitário do país. Criado pelo presidente Emmanuel Macron na última semana, o documento atesta que o cidadão está livre da covid-19. E tornou-se obrigatório para o acesso a uma série de ambientes fechados, incluindo bares e restaurantes. Ela tem como objetivo central aumentar a vacinação entre os refratários. O passe é obrigatório para profissionais de saúde e cuidadores de idosos.

Para ter acesso, o indivíduo deverá baixar em seu telefone o aplicativo TousAntiCovid (todos contra a Covid), que já existia para ajudar a rastrear a propagação do vírus no país. Desde o dia 19 de julho, ele também passou a armazenar o resultado de um teste oficial e negativo para o novo coronavírus. Além disso, também há um espaço para comprovantes de vacinação e certificados de recuperação da doença.


Na entrada de estabelecimentos e pontos turísticos onde ele é obrigatório, como a Torre Eiffel, um funcionário do local irá escanear um código QR gerado pelo app para atestar a sua comprovação. Estrangeiros