Indígena gay brasileiro lança curta-metragem em Hollywood

De motorista de aplicativo a lavador de pratos em lanchonetes, a autobiografia de Diogo Pinto da Silva daria um filme


O sul-mato-grossense Diogo Pinto da Silva, indígena da etnia Terena, gay, imigrante, latino e agora produtor, lançará no próximo dia 28 de março sua primeira produção cinematográfica em Hollywood, nos EUA. A informação é do G1 MS. Em razão das restrições impostas pela pandemia de Covid-19, o curta metragem “Deconstructing Val” chegará aos amantes do cinema de outra forma, on-line.



De motorista de aplicativo a lavador de pratos em lanchonetes, a autobiografia de Diogo renderia um filme. O ator chegou em Los Angeles há três anos. Saiu do Brasil com a personagem “Val Brazil”, protagonista de seu filme, já estruturada. Depois de investidas sem sucesso no cenário da dramaturgia sul-mato-grossense, Diogo alçou voo rumo à São Paulo, cidade em que nasceu a personagem principal de seu filme. O ator relembra a trajetória marcada pela imposição de preconceitos em que vivenciou. “Acho que a primeira vez que senti na pela foi ainda em Mato Grosso do Sul quando fazia teatro e tentei audição para um personagem principal, mas eu não encaixava no perfil, eu não era branco, loiro, galã ou coisa do tipo. Como sempre gostei de filme, me mudei para São Paulo”, contou Diogo ao G1 MS. Diogo explica que teve uma oportunidade de ir à Los Angeles (EUA) foi como um abraço saudoso, o ator agarrou a ideia e seguiu firme rumo à realização do sonho. O artista disse ao G1, que ao chegar nos Estados Unidos